Tudo que você precisa aprender sobre Agrotóxicos

Neste ano de 2019 ocorreu a liberação de vários pesticidas e agrotóxicos, o que provocou uma preocupação em relação ao uso destes materiais em relação à toxicidade; e que podem ainda causar diversos danos à saúde do trabalhador.

Acompanhe o artigo e saiba mais!

Não se esqueça de curtir a nossa FanPage e ficar por dentro de todas as dicas e novidades.

Segundo a Lei n° 7.802/89:

“Agrotóxicos são os produtos químicos, destinados ao uso nos setores de produção, no armazenamento e beneficiamento de produtos agrícolas, nas pastagens, proteção de florestas, nativas ou implantadas, e de outros ecossistemas e também de ambientes urbanos, hídricos e industriais, cuja finalidade seja alterar a composição da fauna ou flora, a fim de preservá-las da ação danosa de seres vivos considerados nocivos, bem como substâncias e produtos empregados como desfolhantes, dessecantes, estimulantes e inibidores de crescimento”.

Um agroquímico, um agrotóxico ou pesticida são desenvolvidos com o objetivo de pôr fim a um tipo de peste; ele atua no organismo de um ser vivo com o objetivo de matá-lo. Esses agentes pertencem à classe de substâncias mais tóxicas, causando a morte por uma dosagem muito pequena.

Estes pesticidas são categorizados tendo como critério o ser vivo ou o objeto alvo – a peste alvo. 

Tipos de agrotóxicos

Fungicidas (atinge os fungos);

Herbicidas (atingem as plantas);

Inseticidas (atingem insetos);

Acaricidas (atingem os ácaros);

Rodenticidas (atingem os roedores).

Existem outros tipos de agrotóxicos específicos para distintas finalidades, como controle de larvas, formigas e bactérias.

Perigos à saúde humana

Quanto mais próximo for a estrutura biológica desses seres alvos à estrutura do ser humano, geralmente, o mais tóxico é o agroquímico para o homem. Existe uma singularidade entre essas estruturas vivas.

A intoxicação pode ocorrer de forma direta (por meio de contato direto, manuseio, aplicação) ou indireta (pela ingestão de alimentos ou água contaminados). Como o Brasil é um país tropical, a incidência de pragas e doenças é muito maior, o que pode justificar a grande quantidade de agrotóxicos utilizados no país.

O higienista ocupacional deve estar atento à essas questões e entender das toxicidades desses agentes para fazer um bom trabalho de higiene ocupacional.  

A primeira etapa a ser realizada para quem trabalha com esses agentes é o estudo da toxicidade. Uma das possibilidades é o uso das FISPQs, verificando qual a dose letal a 50%, e também a concentração letal a 50%. Quanto menor esse valor, mais tóxico é a substância. Esses dados nos dá bons parâmetros para saber a toxicidade desses agentes.

Novas Regras para classificar agrotóxicos

As novas regras fez o número de produtos tidos como “extremamente tóxicos” à saúde passar de 702 para apenas 43. A medida diminui o número daqueles classificados em categorias mais altas de toxicidade, e aumentou aqueles em categorias mais baixas.

A norma divulgada traz alterações no modelo de classificação de agrotóxicos e nos parâmetros de comunicação do perigo ao trabalhador. Clique aqui e acompanhe a reportagem completa divulgada pela Folha de SP. 

A HO Fácil realiza treinamentos e palestras de Higiene Ocupacional com a finalidade de preparar profissionais para se destacarem no mercado de saúde e segurança do trabalho. Oferecemos formação profissional para que nossos alunos dominem os riscos químicos, físicos e biológicos. Se você quer ficar 100% preparado para atuar no mercado de Higiene Ocupacional com segurança e confiança chegou a sua hora.  Contate-nos e saiba mais! 

Confira o vídeo completo, disponível no Youtube: Tudo que você precisa aprender sobre Agrotóxicos

[embedyt] https://www.youtube.com/watch?v=fL0QCqOI1j8[/embedyt]

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram
Gmail

5 de agosto

Pare de analisar Fumos Metálicos em Higiene Ocupacional