Rotas de exposição de agentes químicos

Conhecer as rotas de dispersão dos agentes químicos simplifica o reconhecimento de riscos para Higiene Ocupacional. Ajuda a entender como avaliar, o que avaliar e quais os riscos químicos significativos no ambiente.

Para entender mais, acompanhe este artigo!  

Não se esqueça de curtir a nossa FanPage e ficar por dentro de todas as dicas e novidades!    

Todas as terças-feiras às 19h temos nossas lives sobre o que há de mais novo e mais moderno em Higiene Ocupacional. Um conteúdo técnico e direcionado da área. Toda semana um assunto novo e convidados especiais. Aproveite e se inscreva para a nossa live da próxima semana,  clique aqui  e garanta a sua vaga!   

Para que possamos saber qual agente químico avaliar, qual método utilizar e como coletar os agentes em um ambiente de trabalho, precisamos entender sobre a dispersão dos agentes químicos e os tipos de limite de exposição aplicáveis. 

Formas de dispersão de agentes químicos 

O primeiro passo para avaliar se um determinado risco é ou não significativo é identificar qual agente químico pode estar gerando a exposição ocupacional. O segundo passo é listar os tipos de limites de exposição aplicáveis a esse agente: TWA, STEL, TETO, superfície… O terceiro passo é entender as fontes de exposição e como esse agente químico pode se dispersar no ar. 

Dependendo destes fatores, a exposição a determinado agente pode não ser por via respiratória, mas por via dermal ou ingestão. Por exemplo, consideremos um trabalhador que realiza, em um laboratório, a pesagem de um sólido que pode ser absorvido pela pele. A probabilidade de exposição via respiratória é muito baixa, tal sólido não sublima e nem é disperso no ar. A partir disso, não é necessário um monitoramento. Cabe a nós, Higienistas Ocupacionais, avaliar quais as medidas e precauções devem ser tomadas para que a exposição via dermal seja controlada 

Rotas de exposição de agentes químicos 

As exposições ocupacionais a agentes químicos podem ocorrer por diferentes rotas. A partir do processo de trabalho, os agentes podem ir diretamente para o ar, para a pele e/ou para as superfícies de trabalho. A principal rota de exposição a agentes químicos é por via inalatória, elas ocorrem quando se tem líquidos voláteis, gases ou sólidos que sublimam.  

No caso de sólidos e líquidos de baixa volatilidade, apenas têm-se exposição por via inalatória caso haja uma dispersão desses agentes como aerodispersóides. Caso contrário, a exposição poderá ocorrer por outra via. Pode haver exposição pela via inalatória e dermal, simultaneamente, se os aerodispersóides ficarem em contato com a pele por tempo suficiente para ocorrer uma absorção. Assim, é necessário proteger todas as vias de exposição a fim de evitar doenças ocupacionais. Por fim, os agentes químicos também podem ser ingeridos a partir da inalação e a partir da pele ao levar a mão para a boca.

A HO Fácil realiza treinamentos e palestras de Higiene Ocupacional com a finalidade de preparar profissionais para se destacarem no mercado de saúde e segurança do trabalho. Oferecemos formação profissional para que nossos alunos dominem os riscos químicos, físicos e biológicos. Se você quer ficar 100% preparado para atuar no mercado de Higiene Ocupacional com segurança e confiança chegou a sua hora.  Contate-nos e saiba mais! 

Quer complementar o assunto? Assista a aula abaixo:

https://www.youtube.com/watch?v=juo06FasU-8

Inscreva-se em nosso canal do Youtube clicando aqui. 

Por: Redator Analytics Brasil

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram
Gmail

5 de agosto

Pare de analisar Fumos Metálicos em Higiene Ocupacional