Riscos químicos em laboratórios: Será que preciso avaliar todos os agentes?

Será que eu preciso avaliar todos os agentes químicos presentes em laboratórios? Como reconhecer os riscos químicos e avaliar as medidas de controle adotadas? 

Acompanhe este artigo!  

Não se esqueça de curtir a nossa FanPage e ficar por dentro de todas as dicas e novidades!    

Todas as terças-feiras às 19h temos nossas  lives sobre o que há de mais novo e mais moderno em Higiene Ocupacional. Um conteúdo técnico e direcionado da área. Toda semana um assunto novo e convidados especiais. Aproveite e se inscreva para a nossa live  da próxima semana,  clique aqui  e garanta a sua vaga!   

A avaliação de riscos em laboratórios químicos pode ser considerada bem complexa. Isso se deve à grande variabilidade de produtos químicos presentes nesse ambiente, mas geralmente o uso de alguns dos produtos não é frequente e muitos podem ser utilizados em um curto período de tempo. Muitos higienistas erram se preocupando em avaliar todos os agentes químicos do laboratório. 

A partir daí, percebemos a importância de se realizar um bom reconhecimento de riscos, uma análise preliminar de riscos e um inventário de riscos conforme a nova NR 1, antes de se pensar em análises químicas quantitativas. Lembrando que o papel do higienista ocupacional é antecipar, reconhecer e se necessário, avaliar e controlar. 

Reconhecimento do ambiente 

Como pontos positivos, em laboratórios, em geral, temos muitos equipamentos de proteção coletiva, sistemas de exaustão sobre as bancadas, capelas e pessoas treinadas que entendem os riscos das manipulações e já tendem a utilizar os controles presentes no ambiente. 

Para reconhecer os riscos químicos não basta fazer o inventário e olhar a composição dos produtos, é imprescindível compreender as circunstâncias em que esses produtos químicos estão inseridos. Dentre elas, podemos citar: como são usados os produtos, quais tipos de procedimentos são adotados, quais os processos envolvidos, a quantidade utilizada e etc…  

A grande maioria dos laboratórios de grande escala já possuem processos padronizados e constantes, o que traz informações consistentes, rotineiras e relevantes para higiene ocupacional. 

Riscos químicos em laboratórios 

O grupo homogêneo de exposição basicamente pode ser definido por todos os trabalhadores presentes naquele ambiente. As exposições químicas em laboratórios são para gases e vapores e dificilmente existirão exposições a produtos sólidos.  

O uso de compostos tóxicos como, por exemplo, cloreto de mercúrio em geral acontece em pequenas quantidades e de maneira bem cuidadosa. No caso do preparo de uma solução desta substância, em momento algum há exposição ao cloreto de mercúrio, pois a probabilidade desse sólido se dispersar no ar é muito baixa. 

Além disso, todo o laboratório possui um processo de escala que demanda pelo menos 80% do tempo e possui processos mais esporádicos que não ocorrem com muita frequência. É importante definir bem os GHE’s de modo a direcionar esforços e prioridades. 

A OSHA possui uma regulamentação própria para laboratórios, e segundo ela temos que nos preocupar e avaliar apenas aqueles agentes que julgamos poder apresentar uma exposição acima do limite de tolerância. Para isso existem metodologias qualitativas como o VHR, que mede a razão entre a tendência do agente ir para o ar e o limite de exposição ocupacional e, de acordo com o equipamento de proteção coletiva presente é possível concluir sobre a exposição. Em caso de dúvida, realiza-se a medição. 

 

A HO Fácil realiza treinamentos e palestras de Higiene Ocupacional com a finalidade de preparar profissionais para se destacarem no mercado de saúde e segurança do trabalho. Oferecemos formação profissional para que nossos alunos dominem os riscos químicos, físicos e biológicos. Se você quer ficar 100% preparado para atuar no mercado de Higiene Ocupacional com segurança e confiança chegou a sua hora.  Contate-nos e saiba mais! 

Por: Redator Analytics Brasil

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram
Gmail

5 de agosto

Pare de analisar Fumos Metálicos em Higiene Ocupacional