Riscos Ocupacionais em Indústrias Petroquímicas

Veja neste artigo os principais riscos ocupacionais em Indústrias Petroquímicas e os principais métodos de prevenção de acidentes e para não contaminação desses trabalhadores. Continue lendo este artigo e saiba mais!

Não se esqueça de curtir a nossa FanPage e ficar por dentro de todas as dicas e novidades!

Todas as terças-feiras às 19h temos nossas lives sobre o que há de mais novo e mais moderno em Higiene Ocupacional. Um conteúdo técnico e direcionado da área. Toda semana um assunto novo e convidados especiais. Aproveite e se inscreva para a nossa live da próxima semana, clique aqui e garanta a sua vaga!

Neste artigo contamos com a colaboração do Engenheiro de Segurança do Trabalho e Especialista em Higiene Ocupacional, Rosemberg Rocha, que nos apresentará sua experiência nesse tipo de indústria.

Gerenciamento de Riscos em Indústrias Petroquímicas

Nesse artigo contamos com a colaboração do Rosemberg Rocha, que é higienista ocupacional da Refinaria Gabriel Passos da Petrobrás, engenheiro e técnico de segurança do trabalho e higienista ocupacional.

Nosso convidado Rosemberg, juntamente com toda a equipe de especialistas em Higiene Ocupacional da Petrobras, vêm executando um trabalho intenso e duradouro em prevenção e reconhecimento de riscos.  Trata-se de uma campanha em Higiene Ocupacional, uma campanha a longo prazo. 

Em que, durante um determinado período, o trabalho foi executado por uma equipe multidisciplinar e profissionais com especialização para levantamento de dados. E foram levantados uma série de riscos ocupacionais gerados no processo de refino do petróleo.

“A gente visualizou o trabalho utilizando algumas ferramentas. Além dos padrões internos da Petrobras, tivemos outras matrizes  externas de conhecimento público, como os manuais da FUNDACENTRO e suas metodologias e uma matriz principal, livro da AIHA”, relata Rosemberg.

O processo de avaliação de agentes em uma Indústria Petroquímica deve ter início a partir da caracterização básica dos processos, em 3 pilares:

  • A caracterização do ambiente de trabalho

Uma avaliação qualitativa, na qual é feito todo o conhecimento em loco do processo. Conhecimento da interação entre produto, processo e homem.

  • A caracterização da força de trabalho 

A caracterização do ambiente de trabalho é fundamental quando associada à força de trabalho. É necessária para definir uma matriz de risco e conseguir visualizar com mais clareza a caracterização dos agentes.

Por exemplo:

Uma pessoa que está no craqueamento – na área de destilação, ela vai ter uma exposição ao petróleo já refinado numa cadeia de carbono diferente da área do GLP, numa cadeia de carbono menor.

  • A caracterização do agente

Em que medida eles podem ser perigosos por natureza? Podem causar problemas pelo contato, inalação ou ingestão? 

A exposição das pessoas aos agentes químicos pode ocorrer de forma direta — quando os trabalhadores sofrem um acidente e entram em contato com os materiais, e de forma indireta, quando há vazamentos e poluição do ambiente, por exemplo.

Reconhecimento dos Processos Produtivos

“Quanto maior o grau API do petróleo mais qualidade ele tem, e mais leveza ele tem. Qual o impacto? Na questão da quantidade do carbono que um indivíduo pode estar exposto, e outros contaminantes inerentes a ele, como o enxofre.”

De acordo com Rosemberg, quando estamos falando de  processos de uma refinaria, eles são denominados processos dinâmicos. Não há a possibilidade de  caracterizar a verdadeira exposição de um grupo durante um ano, com apenas uma amostra. Para a estratégia de amostragem  ser colocada em prática é necessário que o higienista tenha um rol de dados para trabalhar. 

Em uma avaliação de agentes químicos é fundamental numa Avaliação Quantitativa, a gestão de dados, é necessário gerenciar o dado de vazão da amostragem. Ao controlar a vazão da bomba de amostragem, se ela não tiver dentro dos padrões estabelecidos na NHO 07, toda a amostra pode ser comprometida.

Campanhas de Longo Prazo

O que são as Campanhas de Longo Prazo?

Trata-se um trabalho mais detalhado em Higiene Ocupacional, baseado em procedimentos internos e tendo como escopo os métodos da NIOSH, AIHA

Na Campanha de Longo Prazo, o higienista ocupacional faz a caracterização do ambiente de trabalho, da força de trabalho e dos agentes. São montados os grupos de exposição, e feitos os sorteios dos grupos em aleatoriedade – tal processo é importante para que o avaliador não influencie no grupo de exposição.

Mas por que uma campanha de longo prazo? 

Quando não temos informação suficiente sobre o ambiente de trabalho é preciso estender o prazo de campanha. A base de dados é suficiente para utilizar os índices de julgamento? Para aqueles grupos abaixo do nível de ação, é preciso colocar um intervalo maior de monitoramento e, assim,  é possível saber quais os grupos acima do nível de ação.

“Para um trabalho de Higiene Ocupacional em refinarias é necessário o comprometimento da alta administração. A empresa em que você está atuando como consultor tem uma política de saúde e segurança estabelecida? A preservação da saúde é um valor?”, explica Rosemberg.

Portanto, de nada adianta o profissional realizar a coleta de inúmeras amostras e não dar nenhum resultado, por isso esse comprometimento administrativo é fundamental. Logo após é preciso partir para um trabalho qualitativo em campo, para o diagnóstico da real situação de perigo/risco. 

Ficou com alguma dúvida? Deixe o seu comentário!

A HO Fácil realiza treinamentos e palestras de Higiene Ocupacional com a finalidade de preparar profissionais para se destacarem no mercado de saúde e segurança do trabalho. Oferecemos formação profissional para que nossos alunos dominem os riscos químicos, físicos e biológicos. Se você quer ficar 100% preparado para atuar no mercado de Higiene Ocupacional com segurança e confiança chegou a sua hora.  Contate-nos e saiba mais! 

Por: HO Fácil

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram
Gmail

12 de agosto

NÃO COMETA ESSES 3 ERROS USANDO O ANEXO 13 DA NR15