Por que um agente químico tem vários sinônimos?

Na complexa esfera da química moderna, as organizações internacionais estabeleceram regras e padrões rigorosos para a nomenclatura de agentes químicos, buscando uniformidade e precisão na identificação de substâncias. No entanto, apesar desses esforços, ainda prevalecem significativas confusões e desafios. As razões para isso são diversas: a existência de diferentes sistemas de nomenclatura, o legado de nomes históricos e a variedade de idiomas e culturas contribuem para um cenário onde um único agente químico pode ser conhecido por vários sinônimos.  

Acompanhe este artigo!  

Não se esqueça de curtir a nossa FanPage e ficar por dentro de todas as dicas e novidades!        

Todos os dias temos conteúdo novo e gratuito sobre temas que irão facilitar a avaliação de Agentes Químicos para Higiene Ocupacional. Um conteúdo técnico e direcionado para a área. Aproveite e siga meu perfil no Instagram @leandromagalhaes_oficial para ficar por dentro de tudo! 

 

Agentes químicos e seus sinônimos 

 

Antes da adoção da IUPAC como o padrão universal na nomenclatura científica, diversos outros sistemas eram utilizados, resultando em uma variedade de nomes para os mesmos agentes químicos no mercado e no uso popular. Um exemplo notável é o ‘cellosolve’, mais formalmente conhecido como 2-Etoxietanol, cujo nome comum deriva do produto comercial. No entanto, a geração de sinônimos não se limita a isso. Muitas vezes, traduções diretas de termos em outros idiomas, como ‘Nafta‘, originado do árabe ‘Naft’, ou apelidos, como ‘BTXE’ (referindo-se a benzeno, tolueno, xilenos e etilbenzeno), também contribuem para a multiplicidade de denominações. Essa diversidade de nomenclaturas, embora reflita a rica história e a natureza interconectada da química, pode levar a confusões e desafios na identificação precisa de substâncias. 

 

O número CAS: solucionando a confusão de nomenclaturas 

  

O número CAS, sigla para Chemical Abstracts Service Registry Number, representa um identificador único para cada substância química catalogada. Este número é atribuído seguindo uma sequência numérica específica que não guarda relação com a estrutura química da substância, mas serve como uma chave inequívoca para sua identificação. Composto por três partes, separadas por hífen, o número CAS elimina a ambiguidade inerente aos múltiplos nomes e sinônimos, permitindo que pesquisadores e profissionais da indústria identifiquem de forma clara e precisa qualquer agente químico.  

Esse sistema é particularmente valioso em contextos em que a nomenclatura pode variar devido a diferenças linguísticas, regionais ou de padrões de nomenclatura. Assim, o número CAS funciona como uma âncora universal, assegurando uma comunicação eficiente e segura dentro da comunidade científica e industrial, independentemente da diversidade de nomes que uma substância possa ter. 

 

Percentual mínimo de um agente químico 

 

Sinto muito por trazer a má notícia, mas não existe um valor mínimo pré-definido de concentração da substância no produto que determine a necessidade de avaliação de um agente químico. A decisão de avaliar um agente não depende apenas de sua porcentagem na composição do produto, mas também de uma série de outros fatores. Estes incluem a quantidade do produto utilizada, a maneira como é manipulado, as condições ambientais como temperatura e ventilação, as medidas de controle administrativas ou os Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC’s), e especialmente o limite de exposição ocupacional do agente. Por exemplo, o cromo hexavalente tem um limite de exposição muito baixo, apenas 0,002 mg/m³ segundo a ACGIH, tornando qualquer atividade que envolva seu manuseio potencialmente arriscada. Por outro lado, o óxido de magnésio tem um limite de exposição de 10 mg/m³, o que o torna um risco menos provável em condições semelhantes. Portanto, é a combinação desses fatores que orienta a decisão sobre a necessidade de avaliar um agente químico. 

 

A HO Fácil realiza treinamentos e palestras de Higiene Ocupacional com a finalidade de preparar profissionais para se destacarem no mercado de saúde e segurança do trabalho. Oferecemos formação profissional para que nossos alunos dominem os riscos químicos, físicos e biológicos. Se você quer ficar 100% preparado para atuar no mercado de Higiene Ocupacional com segurança e confiança chegou a sua hora.  Contate-nos e saiba mais! 

  

Quer complementar o assunto? Assista a aula abaixo: 

Inscreva-se em nosso canal do Youtube clicando aqui. 

Por: Leandro Magalhães

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram
Gmail

16 de junho

Gestão Eficaz em SST: Deixe o Trabalho Técnico para Trás