Plano de amostragem, o Mapa do Higienista  

O plano de amostragem é uma ferramenta poderosa, que traz organização e escalabilidade para as coletas de campo. Muitos Higienistas Ocupacionais encaram a amostragem de agentes químicos como um monstro de 7 cabeças. O que poucos sabem é que existem métodos que auxiliam a execução desta tarefa.  

Na vida, para alcançar um resultado é necessário termos um plano bem definido, o caminho deve estar claro e o objetivo bem determinado. Planejamento é a base do sucesso e na Higiene Ocupacional não é diferente. 

Acompanhe este artigo!   

Não se esqueça de curtir a nossa FanPage e ficar por dentro de todas as dicas e novidades!     

Todas as terças-feiras às 19h temos nossas lives sobre o que há de mais novo e mais moderno em Higiene Ocupacional. Um conteúdo técnico e direcionado da área. Toda semana um assunto novo e convidados especiais. Aproveite e se inscreva para a nossa live da próxima semana,  clique aqui  e garanta a sua vaga!    

O primeiro passo para um plano de amostragem 

Antes de fazer qualquer amostragem, você Higienista Ocupacional deve se perguntar: qual é objetivo a ser alcançado com essa medição? Embora pareça simples, este é um dos pontos mais negligenciados numa avaliação. Se você não sabe onde quer chegar, qualquer resultado serve. Apenas traçando o objetivo da amostragem é que se torna possível entender quais ações devem ser tomadas diante dos resultados obtidos.  

Alguns dos objetivos mais comuns para um plano de amostragem para agentes químicos são: comparação com os limites de exposição ocupacional, enquadramento de insalubridade ou aposentadoria especial, dimensionamento de equipamentos de proteção coletiva, determinação de exposições de curta ou longa duração. 

Pontos importantes 

Outro ponto fundamental dentro de um plano de amostragem se baseia no entendimento dos limites de tolerância. É a partir do limite que se entende qual o tempo deve ser coletado, quantas amostras serão necessárias, qual metodologia deve ser utilizada e qual a conclusão deve ser tomada perante cada um deles. Também é importante entender quais são as formas de dispersão para os agentes químicos presentes naquele ambiente.  

Fundamentalmente, um plano de amostragem deve conter: 

  • Grupos Homogêneos de Exposição (GHE); 
  • Descrição dos agentes químicos com nº CAS; 
  • Tipo e valor do limite de exposição ocupacional; 
  • Modo de dispersão e fração; 
  • Método de coleta (Vazões e volumes); 
  • Quantidade de amostras por ponto e por GHE; 
  • Equipamentos utilizados. 

O plano de amostragem é um mapa, um caminho que liga o seu objetivo ao seu resultado, minimizando erros e otimizando sua campanha de amostragem. O plano vai mostrar como e o que você precisa para amostrar agentes químicos.

A HO Fácil realiza treinamentos e palestras de Higiene Ocupacional com a finalidade de preparar profissionais para se destacarem no mercado de saúde e segurança do trabalho. Oferecemos formação profissional para que nossos alunos dominem os riscos químicos, físicos e biológicos. Se você quer ficar 100% preparado para atuar no mercado de Higiene Ocupacional com segurança e confiança chegou a sua hora.  Contate-nos e saiba mais! 

Por: Redator Analytics Brasil

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram
Gmail

5 de agosto

Pare de analisar Fumos Metálicos em Higiene Ocupacional