O segredo da avaliação de metais para higiene ocupacional

A exposição a metais através da inalação é um risco em diversas atividades profissionais, incluindo soldagem, pintura e até na produção de rações. Dada a gravidade dos riscos à saúde dos trabalhadores, em alguns casos pode ser necessária a avaliação quantitativa dos mesmos. No entanto, o verdadeiro desafio e, por assim dizer, o segredo para garantir a segurança ocupacional, reside na interpretação dos resultados laboratoriais dos níveis de metal no ar. Acompanhe este artigo para desvendar esse segredo.  

Não se esqueça de curtir a nossa FanPage e ficar por dentro de todas as dicas e novidades!        

Todos os dias temos conteúdo novo e gratuito sobre temas que irão facilitar a avaliação de Agentes Químicos para Higiene Ocupacional. Um conteúdo técnico e direcionado para a área. Aproveite e siga meu perfil no Instagram @leandromagalhaes_oficial para ficar por dentro de tudo!

 

Como é feita a avaliação de metais? 

  

A avaliação de metais em ambientes ocupacionais inicia com um processo meticuloso de coleta. Essa coleta é predominantemente realizada através do uso de uma bomba de amostragem pessoal de alta vazão acoplada a um filtro de MCE (Membrana de Celulose Esterificada), configuração esta que se aplica a aproximadamente 90% das situações. Este método é valorizado por sua eficácia em capturar partículas metálicas no ar, que posteriormente são enviadas para análise em laboratório. Uma vez no laboratório, os metais são extraídos do filtro mediante diferentes técnicas e submetidos à análise por equipamentos especializados, como o ICP (Plasma Acoplado Indutivamente). Este procedimento é crucial para quantificar os níveis de exposição dos trabalhadores aos metais e garantir a conformidade com as normas de segurança e saúde ocupacional. 

  

Limites de exposição e o segredo da avaliação laboratorial 

  

Os limites de exposição ocupacional a metais frequentemente se referem a compostos específicos, como óxido de ferro, óxido de zinco, cromato de chumbo e cloreto de zinco, ao invés de ao elemento metálico puro. Aqui reside uma nuance fundamental: os laboratórios, ao aplicarem técnicas de análise, focam na detecção do íon metálico presente, não no composto como um todo. Isso significa que, em casos como a avaliação de óxido de ferro, a análise considera toda a quantidade de ferro na amostra, recorrendo a cálculos estequiométricos para estimar a proporção correspondente de óxido de ferro. 

  

Este método de avaliação traz implicações significativas. Em um ambiente onde o óxido de ferro coexiste com outros compostos de ferro, a solicitação de um resultado apenas para óxido de ferro pode levar a uma estimativa superdimensionada. Consequentemente, isso pode resultar em um diagnóstico equivocado de exposição acima dos limites permitidos, ilustrando o “segredo” da análise laboratorial: a interpretação dos resultados requer um entendimento profundo tanto dos processos químicos envolvidos quanto das normativas de segurança aplicáveis. 

 

Como utilizar esse segredo? 

 

Agora que desvendamos como os metais são avaliados em laboratório, o próximo passo é entender como aplicar essas informações de maneira eficaz. Uma vez que a quantificação laboratorial pode não refletir precisamente o composto específico de interesse, cabe a você, profissional da área, realizar uma avaliação preliminar de riscos no ambiente em questão. Esse processo inicial é crucial para determinar a presença real do composto em questão e pode, em muitos casos, eliminar a necessidade de avaliações laboratoriais subsequentes.   

Além disso, este entendimento sublinha uma importante precaução: a varredura de metais, pode conduzir a diagnósticos equivocados, sugerindo exposições que podem não corresponder à realidade. Portanto, este “segredo” não é apenas uma questão técnica, mas um lembrete da necessidade de uma abordagem criteriosa e informada na gestão de riscos ocupacionais. Com a informação correta e uma análise cuidadosa, é possível não apenas interpretar corretamente os dados laboratoriais, mas também implementar estratégias preventivas mais eficazes para proteger a saúde dos trabalhadores. 

 

A HO Fácil realiza treinamentos e palestras de Higiene Ocupacional com a finalidade de preparar profissionais para se destacarem no mercado de saúde e segurança do trabalho. Oferecemos formação profissional para que nossos alunos dominem os riscos químicos, físicos e biológicos. Se você quer ficar 100% preparado para atuar no mercado de Higiene Ocupacional com segurança e confiança chegou a sua hora.  Contate-nos e saiba mais!  

Quer complementar o assunto? Assista a aula abaixo:  

Inscreva-se em nosso canal do Youtube clicando aqui. 

Por: Leandro Magalhães

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram
Gmail

26 de maio

Primeiros Passos na Identificação de Reações de Agentes Químicos