Higiene Ocupacional em processos despadronizados

higiene ocupacional

Higiene Ocupacional em processos despadronizados 

Muitos profissionais de segurança do trabalho ficam perdidos ao avaliar agentes químicos quando o processo de trabalho não é padronizado. Por isso, vou te mostrar como você pode aplicar a Higiene Ocupacional nestes casos. 

Acompanhe este artigo! 

Não se esqueça de curtir a nossa FanPage e ficar por dentro de todas as dicas e novidades!       

Todas as terças-feiras às 19h temos nossas aulas gratuitas sobre temas que irão facilitar a avaliação de Agentes Químicos para Higiene Ocupacional. Um conteúdo técnico e direcionado da área. Toda semana um assunto novo. Aproveite e se inscreva para a live da próxima semana,  clique aqui  e garanta a sua vaga! 

Processos despadronizados 

Eventualmente, um higienista ocupacional pode se deparar com o desafio de avaliar riscos químicos em um ambiente de trabalho cujos processos estão despadronizados. Por exemplo, em locais onde não há uma divisão clara de setores, funções e atividades. Nestes casos, a visão que o profissional tem sobre os objetivos da aplicação da higiene ocupacional vai ditar os resultados que serão alcançados através do seu trabalho. 

Existem dois tipos de visão sobre a higiene ocupacional: a visão do coletor de amostras e a visão do gestor de riscos. 

O coletor de amostras 

Nesta situação, o coletor de amostras se preocupará com quais agentes químicos coletar, como realizar as medições perante a falta de organização e em como fará para conseguir concluir sobre as exposições para um laudo de insalubridade ou LTCAT. 

O gestor de riscos 

Já o gestor de riscos não pensará em avaliar os agentes químicos neste primeiro momento. O foco dele será em como reorganizar minimamente os processos para que possa diminuir ou eliminar algumas exposições, reduzir a quantidade de grupos homogêneos de exposição, otimizar processos e reduzir custos. Somente após isso, ele irá avaliar a necessidade de medição dos agentes químicos presentes no ambiente. 

Higiene Ocupacional 

Acima de tudo, o profissional que deseja ser valorizado deve compreender que a Higiene Ocupacional não se resume a simples medição dos agentes de risco. Deve-se ter clareza dos conceitos e métodos que suportam essa ciência. A avaliação dos agentes precisa ser vista como um meio para o gerenciamento das exposições e nunca como o fim último. Não adianta começar os trabalhos pelas medições de agentes químicos, especialmente em processos despadronizados.  

O reconhecimento de riscos é o primeiro passo do Higienista Ocupacional. A partir de uma análise qualitativa, já é possível identificar a intensidade das exposições. Os riscos que são desprezíveis, não precisam ser avaliados. Os riscos em que já se observa serem altos, devem ser controlados. E apenas aqueles riscos em que se há dúvida sobre a intensidade que devem ser avaliados. 

A HO Fácil realiza treinamentos e palestras de Higiene Ocupacional com a finalidade de preparar profissionais para se destacarem no mercado de saúde e segurança do trabalho. Oferecemos formação profissional para que nossos alunos dominem os riscos químicos, físicos e biológicos. Se você quer ficar 100% preparado para atuar no mercado de Higiene Ocupacional com segurança e confiança chegou a sua hora.  Contate-nos e saiba mais! 

Quer complementar o assunto? Assista a aula abaixo: 

Inscreva-se em nosso canal do Youtube clicando aqui 

Por: Leandro Magalhães

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram
Gmail

5 de agosto

Pare de analisar Fumos Metálicos em Higiene Ocupacional