Como convencer o patrão a investir em Segurança do Trabalho?

​Como convencer o patrão a investir em Segurança do trabalho? Quais são os argumentos e estratégias que poderão te ajudar a convencer seu cliente a fechar sua proposta?  É o que você vai descobrir neste artigo, acompanhe!

Este artigo foi preparado com o auxílio do Professor Mário Sobral grande contribuidor da área de SST.

Não se esqueça de curtir a nossa FanPage e ficar por dentro de todas as dicas e novidades!

Todas as terças-feiras às 19h temos nossas lives sobre o que há de mais novo e mais moderno em Higiene Ocupacional. Um conteúdo técnico e direcionado da área. Toda semana um assunto novo e convidados especiais. Aproveite e se inscreva para a nossa live da próxima semana, clique aqui e garanta a sua vaga!

Vamos te ajudar a provar para o empregador que compensa e muito investir no setor de segurança de trabalho, caso contrário a empresa pode perder dinheiro. Acompanhe: 

Adicional de Insalubridade

Segundo o Art.189 da Consolidação das Leis de Trabalho (CLT):

Art.189 – Serão consideradas atividades ou operações insalubres aquelas que, por sua natureza, condições ou métodos de trabalho, exponham os empregados a agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância fixados em razão da natureza e da intensidade do agente e do tempo de exposição aos seus efeitos.

Muitos patrões acreditam que ao pagar a insalubridade, a empresa já está coberta caso o trabalhador venha adoecer ou sofra um acidente de trabalho, o que não é verdade. 

Quando um funcionário sofre um acidente de trabalho ou se afasta por motivo de doença, a empresa deve arcar com os custos durante os primeiros 15 dias, e a partir do 16º dia quem paga é o INSS. Ao abordar a temática de insalubridade estamos nos referindo também a NR 15, que está muito ultrapassada e somente ela não é suficiente para a prevenção. 

Mesmo assim você precisa indenizar. Nesse período de 15 dias o funcionário não trabalha, então o empregador está jogando dinheiro.  Então o recomendado é que para proteção você esqueça a NR 15.

Informe para o patrão a real situação, lembre-o de suas obrigações legais; se for o caso, deixe tudo registrado por e-mail. A sua obrigação técnica é de informar, avise quantas vezes forem necessárias.

Aumento do custo com o FAP

Toda empresa é obrigada a pagar 20% para o INSS em cima do valor total das remunerações dos trabalhadores segurados. Fora esses 20%, ela ainda precisa pagar de 1, 2 ou 3% a mais, de acordo com o grau de risco da sua atividade, divididos em grau de risco 1, 2 e 3.

Para maior ou menor FAP será levado em consideração:

  • A frequência dos acidentes
  • A gravidade do acidente
  • O tempo que o trabalhador ficou afastado
  • O custo que o INSS está tendo com a empresa

Este valor oscila muito, pois dependendo do grau de risco, a empresa deve pagar um valor a mais para o INSS, o Fator Acidentário de Prevenção (FAP).

O FAP é um índice aplicado sobre a Contribuição do Grau de Incidência de Incapacidade Laborativa (GIIL-RAT) decorrente dos riscos ambientais do trabalho. 

Quanto menor o risco que o local de trabalho oferece, ou seja, quanto mais seguro o ambiente de trabalho, menor será o custo do FAP.

Se a atividade e o ambiente de trabalho oferecem um grau de risco maior, o FAP a ser pago é mil vezes maior.

Terminamos em algumas conclusões. Se o empregador não investe em segurança do trabalho:

  1. O número de acidentes aumenta;
  2. O número de trabalhadores doentes aumentam;
  3. O local de trabalho se torna mais perigoso.

E, o principal, os custos para a empresa serão muito maiores!

Ações Regressivas do INSS

O INSS desde 1991, com base no artigo 120 da Lei 8213/91 tem realizado várias ações contra empresas que não seguem a legislação de SST e que acabam trazendo prejuízo para o sistema. 

Por exemplo: 

Se houve um acidente ou o trabalhador foi acometido por alguma doença que tenha ocorrido por uma falha da empresa, o INSS fará normalmente o pagamento, mas poderá solicitar à empresa o ressarcimento destes gastos por não estar seguindo o que pede a legislação.

Como elaborar uma proposta? 

Aprenda a vender! Procure ao máximo se especializar. Nós atuamos em uma área técnica, nós somos consultores técnicos. 

Lembre-se sempre:

Você não vende o produto que você trabalha, você vende a solução.

Aqui na Analytics  Brasil damos todo um direcionamento para os nossos clientes, auxiliando-os em como fazer um plano de amostragem mais assertivo. Muitos clientes, a partir dessa consultoria, começaram a fechar mais propostas, pois descobriram que o segredo é unir conhecimento técnico com uma proposta bem estruturada. Eles passaram a ter condições de argumentar com o patrão, para que ele entendesse o que realmente precisava.

E é isso que está faltando para o profissional de segurança, a capacidade de venda. Um bom profissional precisa ter argumentos técnicos, e também saber em como apresentar a sua proposta.

Quando você for fazer algum diagnóstico ou apresentar uma proposta, mesmo que internamente, pergunte para o seu cliente qual o problema dele, e  como você pode ajudá-lo no diagnóstico da situação. Treine a equipe, estruture o departamento comercial, estude o caso, e veja com seu gestor qual a dor dele.

Portanto, o empregador precisa compreender da importância de se investir em segurança, investir em um sistema pautado em prevenção certamente fica muito mais barato do que os gastos com os acidentes e doenças ocupacionais.

Explique para a empresa a importância da segurança do trabalho, utilizando os argumentos aqui apresentados. 

Ficou com alguma dúvida? Deixe o seu comentário!

A HO Fácil realiza treinamentos e palestras de Higiene Ocupacional com a finalidade de preparar profissionais para se destacarem no mercado de saúde e segurança do trabalho. Oferecemos formação profissional para que nossos alunos dominem os riscos químicos, físicos e biológicos. Se você quer ficar 100% preparado para atuar no mercado de Higiene Ocupacional com segurança e confiança chegou a sua hora.  Contate-nos e saiba mais! 

Por: HO Fácil

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram
Gmail

5 de agosto

Pare de analisar Fumos Metálicos em Higiene Ocupacional