Análises de Sílica Cristalina

Cuidado com a análise de Sílica CRISTALINA que lhe está sendo vendida!

Existem basicamente duas técnicas empregadas na avaliação de sílica hoje no mercado, Infravermelho e Difração de Raios X. A primeira não é a mais recomendada, pois não é especifica para a fração cristalina, que é a fração que realmente causa silicose, câncer de pulmão e outras pneumoconioses. Pensando nisto, trouxemos este artigo sobre análises de sílica cristalina.

Não deixe de curtir nossa FanPage para ficar por dentro de todas as dicas e novidades!

A sílica cristalina

A Agência Internacional de Pesquisa do Câncer (IARC, International Agency for Research on Cancer) classifica a sílica cristalina no grupo A1 de carcinogênico para humanos. Este grupo reúne agentes comprovadamente carcinogênicos para humanos, como por exemplo, o benzeno e a radiação gama. Porém a fração amorfa não está classificada como carcinogênico,inclusive o seu TLV® (Threshold Limit Value)foi retirado do livreto da ACGIH em 2006 pois não havia dados suficientes para estabelecimento de um limite de exposição.

Análise da sílica

Uma análise de sílica por Infravermelho pode incluir em seu resultado a fração amorfa, que não causa silicose e as demais doenças. Desta forma contratando a análise por esta técnica pode acontecer de resultados que apresentam sílica amorfa serem reportados como sílica cristalina, entre outros interferentes mais comuns. Uma atenção deve ser dada a este fato, pois grande parte da composição geológica do solo brasileiro é de sílica amorfa.

Já a técnica de Difração de Raios X é específica para a fração cristalina e o resultado desta análise reporta apenas esta fração excluindo a fase amorfa, portanto é mais confiável e produz melhores resultados, principalmente no Brasil. Um fato importante é que caso o limite de tolerância seja extrapolado a insalubridade deverá ser paga para o funcionário exposto.

A análise de sílica cristalina por Difração de Raios X

Como toda análise mais confiável e mais específica a análise de Sílica Cristalina por Difração de Raios X é mais cara, dentre outros motivos, devido ao custo operacional do equipamento, mas principalmente devido ao uso de um filtro de prata 99% puro para cada amostra. Este filtro tem um custo elevado, em torno de R$ 60,00 a R$ 70,00 o que inviabiliza economicamente a realização desta análise por menos de R$ 110,00, considerando apenas o custo com o filtro de prata, cassete e membrana de PVC, além dos impostos para a prestação do serviço. Lembrando que ainda há outros custos envolvidos nesse processo, como mão de obra especializada, equipamentos de alto custo, amostras de controle de qualidade e etc.

Atenção aos laboratórios

Há alguns laboratórios realizando análises de Sílica Cristalina por Difração de Raios X por preços muito inferiores ao custo desta análise. A metodologia de análise está validada no método NIOSH 7500 e esta deixa bem claro o uso do filtro de prata e a configuração mínima de equipamentos necessários para esta análise. Portanto, os laboratórios que não seguem este método fazem uso de um procedimento não validado e sem garantia, abrindo uma grande brecha para contestação dos resultados e consequente perda da causa jurídica, gerando adicionais de insalubridade e gastos imensamente superiores ao valor da análise.

A Analytics é um dos maiores e mais respeitados laboratórios de higiene ocupacional do mundo sendo acreditado AIHA por mais de 30 anos. A AIHA é uma organização norte americana que reconhece e acredita laboratórios de higiene ocupacional em todo mundo e sua certificação é reconhecida mundialmente, o que gera mais confiabilidade e segurança na elaboração de laudos em casos judiciais. Além disso possuímos outros diferenciais, como suporte técnico e agilidade, tanto no envio dos relatórios quanto de amostradores.

Nossa equipe técnica está à disposição para esclarecer demais dúvidas. Entre em contato conosco!

Ficou alguma dúvida? Deixe seu comentário!

Por: Redator Analytics Brasil

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram
Gmail

5 de agosto

Pare de analisar Fumos Metálicos em Higiene Ocupacional