A higiene ocupacional pode aumentar a produtividade de sua empresa!

Uma pesquisa realizada no ano de 2016 pelo SESI (Serviço Social da Indústria) apontou que ações de higiene ocupacional para promover maior segurança no ambiente de trabalho aumentaram a produtividade dos funcionários. Muitas empresas não sabem, mas profissionais que se sentem seguros no ambiente laboral, produzem muito mais.

Neste artigo, trouxemos hipóteses que comprovam que a higiene ocupacional nas empresas aumenta a produtividade dos trabalhadores. Para saber mais, continue lendo nosso artigo!

Não deixe de curtir nossa FanPage para ficar por dentro de todas as dicas e novidades.

Uma pesquisa realizada pelo SESI entre os dias 28/10/2015 e 02/02/2016 com o intuito de mapear os impactos da Saúde e Segurança Ocupacional na indústria brasileira, revelou dados muito interessantes. Após adotar medidas de Saúde e Segurança Ocupacional, 43,6% dos entrevistados declararam aumento na produtividade dos funcionários; 48% afirmaram que houve redução nas taxas de absenteísmo por doenças, e 34,8% declararam redução de custos com acidentes e doenças ocupacionais.

O papel da Higiene Ocupacional

A higiene ocupacional é responsável por prevenir, reconhecer, avaliar e controlar os riscos provenientes de agentes ambientais que podem ocasionar acidentes e doenças ocupacionais. Intrinsecamente ligada à segurança do trabalho, a higiene ocupacional busca eliminar e/ou neutralizar agentes de risco que possam resultar em danos à saúde dos colaboradores. Para saber mais sobre a higiene ocupacional, clique aqui para ler mais.

As etapas da Higiene Ocupacional consistem na antecipação, reconhecimento, avaliação e controle do risco.

Riscos na higiene ocupacional

A higiene ocupacional engloba cinco tipos de risco: físico, químico, biológico, de acidente e ergonômico. Alguns exemplos destes riscos são:

Riscos físicos: ruídos, vibrações, radiações ionizantes e não ionizantes, frio, calor, pressões anormais e umidade

Riscos químicos: poeiras, fumos, névoa, neblinas, gases, etc.;

Riscos biológicos: vírus, bactérias, protozoários, fungos, parasitas e bacilos;

Riscos de acidentes: arranjo físico inadequado, máquinas e equipamentos sem proteção, ferramentascom defeito, etc.;

Riscos ergonômicos: esforço físico intenso, levantamento e transporte manual de peso, exigência de postura inadequada, etc.

A higiene ocupacional e a produtividade

Colaboradores que desempenham atividades que possuem riscos tendem a produzir menos que aqueles que executam procedimentos que não estão expostos à insalubridade. Estes funcionários, além da menor produtividade, também são propensos a desenvolverem doenças ocupacionais (que podem resultar em custos extras à empresa, como faltas e processos trabalhistas), e acidentes ocupacionais (que são, muitas vezes, responsáveis por deficiência financeira em empresas).

Quando uma empresa investe em ações de higiene ocupacional, além de promover um ambiente laboral em conformidade com a legislação vigente, evitando multas à empresa, também promove segurança e qualidade de vida para o colaborador, que irá, consequentemente, produzir mais e entregar resultados acima do esperado.

A Analytics Brasil faz uso das metodologias propostas pela NIOSH e OSHA, contando com ACREDITAÇÃO TOTAL DA AIHA (Associação Norte-Americana de Higiene Industrial) desde o ano de 1981. Além disso, os dados obtidos nos relatórios de nossas análises são comparáveis com os limites de tolerância da legislação brasileira e da ACGIH com o objetivo final de determinar se o local é seguro e está em conformidade, eliminando passivos trabalhistas e insalubridade associados com a exposição no local de trabalho.

Analytics Brasil: Higiene Ocupacional ao alcance de suas mãos.

Ficou alguma dúvida? Deixe seu comentário!

Fontes

http://www.saude.sp.gov.br/resources/crh/gadi/qvt/material-de-apoio/riscos_ambientais.pdf
http://www.portaldaindustria.com.br/agenciacni/noticias/2016/06/investimento-em-saude-e-seguranca-no-trabalho-da-retorno-as-empresas-1/

Por: Redator Analytics Brasil

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram
Gmail

5 de agosto

Pare de analisar Fumos Metálicos em Higiene Ocupacional